Por Marcelo Cavalcante

O ano de 1998 foi inesquecível para o torcedor do Sport. Sob o comando do técnico Mauro Fernandes, o Leão montou um grande time, que contava com o goleiro Bosco, o zagueiro Sangaletti (que naquele ano seria deslocado para ser volante e foi assim até o final da carreira), os meias Wallace e Jackson, o craque da equipe, e o atacante Leonardo. Como diz o vocabulário nordestino, o Leão foi campeão estadual com pés nas costas. Aliás, tricampeão. E invicto.

A confiança era grande para que o Sport fizesse uma grande campanha no Campeonato Brasileiro. E de fato fez. Com um futebol envolvente, desbancou muitos adversários. Entre eles, o Grêmio, do então técnico Celso Roth. A partida contra o time gaúcho aconteceu num 20 de setembro, um domingo. O Leão precisava vencer para diminuir a pressão causada por uma sequência de resultados chatos: dois empates em 0x0 contra Vasco e Santos, derrota em casa para o Corinthians, por 2×0, e vitória suada contra o Bragantino, por 1×0.

Sobrou para o Grêmio. Mesmo sem o craque do time Jackson, que desfalcou a equipe, o Sport foi para cima, no calor da torcida. Logo aos 17 minutos, Leonardo abria o placar para o Leão. Não demorou muito para Alexandre Lopes, aos 20, ampliar. O Grêmio contava na lateral com Roger (Machado), e no ataque, Loco Abreu. Ronaldinho Gaúcho estava no banco de reservas e só entrou no segundo tempo, quando a situação já estava complicada.  Afinal, ainda no primeiro tempo, o Sport fazia o terceiro, com o zagueiro Ronaldo (foto abaixo – Reprodução). 

Quando o segundo tempo começou, a Ilha do Retiro já estava em  festa. O Tricolor dos Pampas tentou esboçar uma reação, mas em vão. Logo no começo do segundo tempo, Ronaldo fazia mais um.  O Leão diminuiu o ritmo, mas não a fome de gols. Irani, de peixinho, fechava o marcador.  O resultado deixava o Sport na terceira colocação do Brasileirão, para desespero do técnico do Grêmio, Celso Roth. Era a segunda vez que o treinador enfrentava o Leão naquela mesma competição. Ele havia começado o campeonato comandando o Vitória, que perdeu para o Sport, por 2×1. Dois anos depois, comandou o Sport na conquista da Copa do Nordeste, superando o seu ex-clube baiano.

Escalações dos times

Sport 5 x 0 Grêmio

Sport: Bosco, Russo, Ronaldo, Alexandre Lopes e Jeferson (Edson); Lima (Valdomiro), Sangaletti, Leandro Tavares e Wallace; Leonardo (Brinquedo) e Irani. Técnico: Mauro Fernandes.

Grêmio: Danrlei, Gavião (Ronaldinho), Rodrigo Costa, Scheidt e Roger; Fabinho, Éder (Pedro Ayub), Otacílio e Rodrigo Mendes; Clóvis e Loco Abreu (Ricardo Miranda). Técnico: Celso Roth.