O técnico Eduardo Baptista cobrou mais atenção do Sport, que acabou perdendo para o Botafogo neste sábado (25), por 1×0, no Engenhão, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para o comandante, o time rubro-negro precisa de concentração durante toda a partida para voltar a vencer na Série A e quebrar o jejum que já dura 11 jogos. Eduardo também falou da organização da equipe, que, segundo ele, ficou desajustada no segundo tempo.

“Tivemos algumas desatenções na bola parada, onde deu a chance para o Botafogo e acabamos tomando o gol. Falta de atenção por não estar organizado. No primeiro tempo conseguimos jogar e chegar um pouco mais. Já no segundo tempo, tivemos mais dificuldades. As coisas não aconteceram e o segundo tempo foi muito ruim. Precisamos buscar em todo o jogo. Mesmo no segundo tempo, voltamos marcando bem, mesmo não conseguindo jogar mais. Mas levamos um gol de falta, desatenção de novo. E essas coisas atrapalham. Precisamos de concentração nos 90 minutos. Contra o América foi assim, temos que estar concentrados. A situação está difícil e falta de atenção atrapalha ainda mais as coisas”, disse o treinador, que destacou a semana que terá para trabalhar e ajustar o que é necessário.

“Temos que fazer algo para que as coisas aconteçam. Infelizmente eu tive aqui oito dias e três jogos. Só tivemos dois dias com a equipe principal. Pouco treino, mais conversa. Agora temos uma semana para mudar. O time é mais técnico, mas tem que ter intensidade de jogo, imposição, volume, concentração… É isso que vamos buscar essa semana. O jogo contra o Paraná é uma decisão pra gente. Não pode ter nada além dos três pontos. Não dá pra falar de tabela. Precisamos volta a vencer. Esse é o nosso foco. Tivemos uma semana desgastante e na reapresentação iremos voltar focados para buscar concentração nos 90 minutos da partida”, completou.

APOIO DA TORCIDA

Eduardo ainda fez um apelo para a torcida rubro-negra para o jogo contra o Paraná e disse que compartilha do mesmo sentimento. O Sport enfrenta o time paranaense no dia 2 de setembro, às 16h, na Ilha do Retiro. “A minha dor é dupla, pois sou profissional e tenho um carinho muito grande pelo Clube. Eu sei dessa dor que o torcedor está sentindo. Não existiria o Sport se não existisse sua torcida. É o momento dessas 16 mil pessoas (que estiveram no jogo passado) e mais algumas comparecerem. O que a gente promete é muito trabalho e estudo para conseguir vencer. A gente pede porque precisamos da torcida. Se é difícil com o torcedor, é muito mais difícil sem ele. Pedimos esse voto de confiança. Essa semana é conversa e trabalho para que as coisas aconteçam. E vão acontecer”, encerrou.