Todos os atletas estão concentrados para tirar o Sport da zona de rebaixamento e engatar uma boa sequência no Brasileirão. Um dos principais nomes do elenco, Marlone concedeu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira (20) e falou da responsabilidade que o elenco possui. Focado, o meio-campista prometeu encarar cada partida como “uma guerra” e o empenho será máximo para colocar o Leão numa parte mais cômoda da tabela. Isso já a partir deste domingo (23), quando o Rubro-negro encara o Palmeiras, às 18h, na Ilha do Retiro, pela 26ª rodada da Série A.

“Nós sabemos da responsabilidade que nos encontramos, mas nós temos total confiança no grupo. Os últimos dois jogos que fizemos jogamos para vencer. Infelizmente nessa fase às vezes a bola não entra, são coisas que acontecem. Não tem nada perdido. Não podemos achar que não tem solução. Aqui há grandes profissionais se colocando à disposição para ajudar o Sport. Com apoio da torcida domingo nos incentivando do começo ao fim, ficaremos mais próximos da vitória. Cada jogo será uma guerra e vamos encarar como uma final. Tenho total confiança que iremos sair dessa situação”, disse o camisa 10, que falou sobre o seu rendimento no Sport. Ele possui, até o momento, sete gols e 13 assistências na temporada.

“Reconheço que em algumas partidas não rendi o que posso render. Futebol não é só o individual, é coletivo. Sou um cara que me cobro bastante e não fujo de situações como essas. Já passei por momentos difíceis dentro e fora do campo. Às vezes nós, jogadores, entramos dentro do campo com problemas. Já fui jogar e minha filha estava internada, com soro na veia, com 8 meses de vida. Somos seres humanos. Não desisto e nunca me omiti. Não tenho vaidade nenhuma. Muitos me conhecem… Só quero o bem do Sport e do grupo. Quero crescer e a cada jogo vou buscar essa evolução”, concluiu.

SEM MOLEZA

Marlone também alertou que, independentemente de o Alviverde Paulista vir com o time completo ou misto, a concentração tem que ser a mesma e a partida será difícil. O jogador aproveitou para reforçar o pedido de apoio para a torcida leonina, que deve aparecer em bom número no Adelmar da Costa Carvalho.

“O Palmeiras hoje tem dois times, que possuem o mesmo nível e a mesma competitividade entre os atletas. Não podemos entrar com o pensamento de que virá um time misto ou que os caras virão cansados. Temos que entrar com sangue nos olhos o tempo todo, com o apoio da torcida e Ilha fervendo para buscar a vitória. Não tem outro pensamento que não seja vencer. Ainda que seja Magrão fazendo o gol, precisamos vencer e esse é o pensamento de todos da equipe”, pontuou.