O técnico Eduardo Baptista iniciou a semana de preparação para o duelo com o Palmeiras com uma convocação à torcida e uma promessa: “Vamos fazer a Ilha do Retiro pulsar no domingo (23). Podia ser o Real Madrid ou o Íbis. Podia ser qualquer um. Mas vai dar Sport”. O duelo com os palmeirenses é às 18h, pela 26ª rodada do Brasileirão.

Na Ilha, a matemática é a seguinte: se vencer as sete partidas que ainda tem em casa no Brasileirão, o Sport escapa do rebaixamento sem depender de outros resultados. Por isso, o técnico Eduardo Baptista trata o duelo com o Palmeiras como a primeira das sete decisões que o time terá na reta final do campeonato e cobra união de todos.

“Temos que remar para um lado só, time, diretoria, torcida, imprensa… Estamos jogando no limite. Não vou vir aqui pintar um quadro bonito. Nós estamos no limite, mas com todos juntos saímos dessa”, disse o treinador, que aposta na manutenção da equipe que atuou ante o Corinthians – a exceção é o atacante Hernane, que sofreu uma luxação no ombro esquerdo. Ele será substituído por Marlone.

Na coletiva, o Eduardo Baptista fez questão de ressaltar o papel decisivo da torcida rubro-negro ao longo da história em momentos difíceis enfrentados pelo Clube e relembrou a campanha campeã da Copa do Nordeste de 2014, quando assumiu o Clube as vias de ser eliminado e chegou ao título.

“Hoje é hora de eu pedir ao torcedor para comparecer à Ilha do Retiro. O nosso momento é difícil, mas longe de se jogar a tolha. A minha história como treinador mostra isso. Eu assumi esse mesmo Sport com 99% de chances de ser eliminado da Copa do Nordeste (2014). E com esse 1%, um mês e meio depois, fomos campeões da Copa do Nordeste. E com o apoio da torcida. No Sport não tem essa de jogar a toalha”, comentou.