Douglas Matheus Coutinho da Silva. Ou simplesmente Matheusinho. Meio-campista de 20 anos, o jogador está no Sport desde 2017, quando encantou em uma peneira e foi convidado para passar vinte dias no Clube. Antes do final do prazo, já sabia que ficaria na Ilha. Discreto fora das quatro linhas, gigante dentro delas. Tem grande admiração dentro do grupo de atletas e da comissão técnica. “Esse tem DNA de Sport na veia”, costuma dizer o coordenador da base rubro-negra Rodrigo Dias.

Natural de Touros, no Rio Grande do Norte, Matheusinho entrou em campo 31 vezes no ano, sendo titular em todas as ocasiões. Qualidade no passe, marcação forte, versatilidade e fôlego para aparecer em todos os locais do campo o faz ser um pilar na mão dos treinadores. Apesar do perfil sempre sério, uma exceção nas poucas palavras é percebida quando o assunto é o Sport.

“O Sport representa tudo na minha vida. De onde eu estava para agora é uma coisa que eu nunca imaginei. Chegar em um Clube desse tamanho, ter as portas abertas e ter conseguido aproveitar. Tenho que agradecer primeiro a Deus, a instituição, aos treinadores e comissão técnica”.

Destro e de papel tático sempre fundamental, o volante fez o primeiro gol com a camisa do Sport recentemente, em uma partida do Campeonato Pernambucano frente ao Vitória. O Leão estava sendo eliminado (acabaria a competição como campeão), quando, de cabeça, o volante apareceu na área em um bonito gesto técnico. Na comemoração, a imitação de um Leão em cima do Escudo Rubro-negro. A história de Matheusinho agora ganhou novo capítulo. Da geração 99 que finalizou o ano na base, é momento de visar oportunidade no profissional e tentar convencer.

“2020 será um ano para fazer acontecer. Espero ter essa oportunidade (de iniciar o ano), jogar bem e corresponder. Trabalhar muito e deixar tudo sempre na mão de Deus. Tenho muita confiança que a próxima temporada será extraordinária”.