O Sport vai à Copa São Paulo dando oportunidade e rotação a jogadores de gerações mais novas e com muita projeção dentro do Leão. Esses serão os casos dos meias-atacantes Marcelo e Francisco. Jogadores de apenas 17 anos, que terão a oportunidade de jogar a principal e maior competição de base do mundo já tão cedo. A pouca idade, contudo, é secundária diante da meritocracia dos dois jogadores, que terminaram 2021 como campeões da Copa Carpina e do Pernambucano Sub-17.

Apesar de bem jovens, além da qualidade, os dois atletas possuem bastante rotação para ajudar o Leão a realizar uma grande campanha. No caso de Francisco, jogador natural de Teresina, as coisas aconteceram muito rápido. Dentro do grupo que vai viajar, ele é um dos poucos que já atuou na competição. Só tinha 15 anos quando representou o River do Piauí, inclusive marcando gol.

“Foi incrível. Eu fiz um Estadual Sub-15 muito bom, sendo artilheiro com número bem acima ao vice e no final acabei me surpreendendo, sendo chamado para atuar na Copinha. Já era notícia por ir com apenas 15 anos e passei a ser ainda mais quando fiz gol na nossa estreia. Momento que guardarei para sempre e que com certeza foi uma das consequências que me trouxeram ao Sport.”

Naquela edição, com 15 anos de idade, Francisco atuou nos três jogos do time piauiense na primeira fase. Captado pelo o Sport, ele mostrou no Leão que seu talento vai muito além das manchetes de jornais que o impulsionaram na época. Pelo Rubro-negro, foi artilheiro do time e destaque do Estadual Sub-17, com 10 gols marcados. Antes, também já havia deixado marcas no Brasileiro e Copa do Brasil da categoria. De grande velocidade, drible fácil e boa finalização, a ida à Copa São Paulo seria natural até se o projeto de levar gerações mais jovens não existisse.

“Estou muito feliz com o meu momento. Vejo a torcida falar de mim nas redes sociais, me pedir no profissional, tudo isso é impressionante. Mas são passos que nós vamos dando, e a Copinha é mais um deles. Dessa vez, chego em uma camisa de peso e bem mais experiente. A esperança é que seja histórico não só para mim, mas também para o Sport.”

Marcelo vai para a sua primeira Copa São Paulo, mas é outro com bastante vivência, além de todo o talento. Natural de Brasília, mas morando já há bastante tempo no Rio de Janeiro, ele foi captado no Maior do Nordeste depois de uma temporada cheia jogando no profissional do Boavista. Integrado em um elenco que jogou Copa do Brasil, Campeonato Carioca e Série D. Entrou em campo 11 vezes e fez dois gols. Pelo o Sport, a trajetória já conta com alguns gols e assistências, mas ele quer mais.

“Sei do esforço do Sport para me trazer e sei o que posso oferecer dentro de campo. Joguei a Série D inteira pelo o Boavista e tive a felicidade de chegar em um time forte, entrosado, com excelente trabalho realizado. Aproveitei, trabalhei forte com eles e pude ser campeão da Copa Carpina e campeão Estadual. Quando se chega a um clube desse tamanho, você almeja momentos assim, de levantar troféu, ganhar medalhas. Sei que foi só o início, espero muito mais por mim e pelos meus companheiros. Entrar em campo na primeira Copinha da minha vida, por um grande time, será fantástico. Eu estarei pronto.”