Celeiro de grandes jogadores e descobertas na história do futebol brasileiro, a Copa São Paulo segue seu curso natural também no Sport. A competição, marcada para iniciar o calendário de jogos em 2022, tem o Leão com estreia já no dia 2 de janeiro, em duelo nordestino diante do Confiança. Único Clube do mundo a revelar dois artilheiros de Copa do Mundo, o Maior do Nordeste possui um passado recente bem positivo no aproveitamento de talentos da base que conseguiram dar o passo inicial aparecendo na Copinha.

Edição de 2014 marcou os primeiros gols de Joelinton frente à torcida

Indo para um recorte dos últimos seis anos, a edição de 2014 começou empolgando, com três vitórias em três jogos e liderança do grupo. Acabou tendo um final inesperado, no primeiro mata-mata, após eliminação para a Ferroviária. Na ocasião, a equipe leonina era comandada dentro de campo pelo jovem Joelinton, centroavante que era um dos atletas mais jovens do grupo, com apenas 17 anos. Pouco tempo depois, Joelinton apareceu se afirmando rápido no nosso time profissional, sendo importante tanto dentro quanto fora de campo. Hoje o atacante natural de Aliança atua na principal liga de futebol do planeta e é conhecido mundialmente.

2015 primeiras ordens do Xerifinho

Leão da Base campeão duas vezes com a camisa da Seleção Brasileira, o zagueiro Adryelson começou a aparecer aos olhares do nosso torcedor em 2015. Também feito Joelinton, foi à sua primeira Copinha como um dos jogadores mais jovens do grupo. Logo que voltou, em uma campanha de 3 vitórias em quatro jogos, foi integrado ao grupo profissional, em uma temporada que também marcou a sua estreia no profissional, em clássico contra o Santa Cruz.

2016 paredão rubro-negro fez suas primeiras defesas

Melhor goleiro da última Série A em todos os números e estatísticas possíveis e já bastante consolidado no Clube e no futebol nacional, Maílson foi destaque na campanha do Leão, que chegou pela segunda vez de sua história nas quartas de finais da Copa do Mundo da base.

Naquela altura, Maílson era um arqueiro sem muito jogo, não tinha nenhum outro clube no currículo e foi uma aposta de alto risco que se mostrou completamente certeira. Adryelson, um ano mais velho e mais experiente, fez parte do grupo novamente, junto a outros atletas que apareceram em bom número no time profissional rubro-negro.

2017 e a dupla Chico e Adryelson

Conjunto forte, que avançou fases na competição e que acabou parando na sensação do torneio, o Batatais, time que devorou gigantes e foi até à final, a equipe de 2017 contava com uma zaga forte e que apareceria pouco tempo depois também agradando no profissional: Chico, ainda hoje no elenco, e Adryelson. O time vivia o embalo da geração vice-campeã da Copa do Brasil Sub-17, na época vivenciando suas primeiras experiências na Copinha.

 2018 fez Mikael ser conhecido pela Nação

Centroavante canhoto, forte, finalizador. Ainda pouco visto, a Copa São Paulo de 2018 mostrou a cara de Mikael para toda a torcida leonina. Gol de cabeça, gol de bicicleta. O atacante foi o cara do primeiro semestre rubro-negro, tornando-se um nome frequente na boca da torcida até conseguir ter sequência após alguns empréstimos e mostrar todo o seu enorme e mais do que reconhecido potencial.

Edição de 2019 tinha Ewerthon, Juba, Mikael e Pedro

Jogadores que a torcida se acostumou a ver no time profissional já há certo tempo, dentro os quais alguns já bem consolidados no Leão, o time de 2019 que disputou a Copinha acabou caindo nos pênaltis para o Cruzeiro, em um jogo que terminou 1×1 no tempo normal. O gol do Leão? do lateral Ewerthon, naquela época atacante de beirada.

Aquela equipe ainda contava com Mikael, que para variar, foi destaque e artilheiro, Juba, dono de golaço na última vitória do Sport no Brasileiro e Pedro, meio-campista acionado por Florentín, que colecionou boas atuações nesta reta final de 2021. Outro na delegação era o volante Ítalo, Leão da Base ainda muito jovem, com tudo para ter um grande futuro pela frente.

2020 coroou a geração 2002, que contava com o talento de Gustavo

O planejamento para a Copinha de 2020 é semelhante ao da atual. O Sport irá com um time jovem, cedendo os jogadores de último ano ao profissional, por meritocracia deles mesmos e visando, acima de tudo, a projeção dos atletas que serão selecionados, independente de idade. Foi assim o time de 2020, na última Copinha antes de pandemia.

Pedro, meio-campista, era o único com 20 anos, enquanto o Leão arriscou pesado em jogadores da grande geração 2002, naquela altura ainda Sub-17. Entre esses, nomes que apareceram no profissional e convenceram e outros que ficaram em alta no mercado. Casos do lateral-direito Rafael, do meia Júlio César, do zagueiro Pedro Lucas.

Um que permaneceu e a torcida que já conhecia bem passou a conhecer ainda mais foi o meia Gustavo, que havia conquistado o Estadual Sub-17 [com o gol do título] e Sub-20 em um espaço de sete dias e que terminou o calendário de jogos de 2021 como destaque leonino no último Brasileiro da Série A.

Ítalo, Diego Ferreira (esse 2003, mas que sempre jogou um ano à frente) e Welberty são outros remanescentes da talentosa geração, sendo que apenas o primeiro esteve na Copa São Paulo passada.